Efeitos da temperatura sobre a soja e milho no Estado de Mato Grosso do Sul

  • Wellington Ferreira Nascimento Universidade Fereral da Grande Dourados (UFGD), Dourados, MS, Brasil.
  • Jaqueline Severino da Costa Universidade Fereral da Grande Dourados (UFGD), Dourados, MS, Brasil.
  • Paula Pinheiro Padovese Peixoto Universidade Fereral da Grande Dourados (UFGD), Dourados, MS, Brasil.
  • Nelson David Lesmo Duarte Universidad Nacional de Asunción, Facultad de Ciencias Agrarias, Filial Pedro Juan Caballero (FCA-UNA). Pedro Juan Caballero, Paraguay.

Resumen

A influência do clima sobre a agricultura tem sido constantemente discutida no cenário acadêmico. Neste âmbito, os resultados apresentados pelo relatório do Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) demonstram que o setor mais afetado é a agricultura. O Brasil tem um papel importante neste contexto, enquanto grande produtor agrícola mundial. Este artigo tem como objetivo verificar os efeitos, sem levar em consideração a produção dos grãos de cada cultura e sim a temperatura mínima sobre as culturas de milho e soja, nos municípios de Campo Grande, Chapadão do Sul, Dourados, Maracaju e São Gabriel do Oeste no estado de Mato Grosso do Sul no período de 2008 a 2014, onde a probabilidade mais recorrente de temperatura são de 5ºC a 14ºC. Observou-se que existe grande variabilidade de temperatura em Campo Grande de 14,70% para três geadas. Chapadão do Sul, a predominância é de 17,25% de ocorrer quatro geadas. Em Dourados pode-se verificar que existe a predominância de duas geadas é 27,07%. Maracaju podem ocorrer à existência de oito geadas é de 13,93%. E em São Gabriel do Oeste, verificou-se que existe uma probabilidade de 13,81% de ocorrer até oito geadas. A temperatura mínima do ar é registrada em abrigo meteorológico, enquanto a temperatura mínima de relva é registrada próximo à superfície do solo. Foi utilizado a Distribuição de Poisson para mensurar se ocorreram mudanças de temperaturas adversas nos períodos de outubro a março, entre 2008 a 2014 impondo risco a estas culturas.

Citas

AGRITEMPO (Sistema de Monitoreo Agrometeorológico, Brasil). 2015. Sistema de Monitoramento Agrometeorológico (em línea, sitioweb). Consultado el 05 de Fev 2015. Disponível em http://www.agritempo.gov.br/ agritempo/
Auffhammer, M; Hsiang, SM; Schlenker, W; Sobel, A. 2013. Using weather data and climate model output in economic analyses of climate change. NBER workingpapers. Cambridge, n. 19087. 32 p.
Assis, F. N.; Arruda, H. V.; Pereira, A. R. Aplicações de estatística àclimatologia. 1996 Pelotas, Brasil, Universidade Federal de Pelotas, Editora Universitária.161 p.
Brunini, O; Camargo, MBP. 2000. Methodologies for assessingandquantifyingdroughtandfrostrisks in Brazil. Actas de la reunión de expertos de lãs associaciones regionales 3ra y 4ª sobre fenómenos agrometeorológicos adversos, 12-14 de julio de 1999, Caracas, Venezuela. Organización Meteorológica Mundial, Ginebra, Suiza. 31-43 p
Castro, Nicole Rennó. 2014. O impacto de variáveis climáticas sobre o valor da produção agrícola–análise para alguns estados brasileiros. Tese de Doutorado. Piracicaba, Brasil, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz. 96p.
CEMTEC-MS (Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos de Mato Grosso do Sul). 2015. CEMTEC-MS 6 anos de atividades no Estado (em línea, sitio web). Acesso em 25 Mar de 2015. Disponível em www.agraer.ms. gov.br
Conab (Companhia Nacional De Abastecimento, Brasilia). 2014. Acompanhamento da safra brasileira de grãos. Brasilia, Brasil. Conab v. 1, n.1. Acompanhamento da safra brasileira de grãos. Brasilia, Brasil. Conab
Da Silva, CA. 2011. Pensar, fazer ciência e desafios da pesquisa em climatologia geográfica no Centro-Oeste. Revista Mercator 9(1):39-51.
Embrapa CPAO (Embrapa Agropecuaria del Oeste, Brasilia). 2014. Embrapa (em línea, sitio web). Acesso em: 06 dez. 2014. Disponible en: http://www.cpao.embrapa.br
FAO (Food And Agriculture Organization Of The United Nations). 2014. The statistic division – FAO stat (em línea, sitio web). Acesso em: 05 dez. 2014. Disponível em: http://faostat.fao.org/
LSPA (Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, Rio de Janeiro). 2014. Pesquisa Mensal de Previsão e Acompanhamento das Safras Agrícolas no Ano Civil (em línea). Instituto Brasilero de Geografía e Estadísticas - IBGE 28(12) : 1-88. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Producao_Agricola/Levantamento_Sistematico_da_Producao_Agricola_%5Bmensal%5D/Fasciculo/2014/lspa_201412.pdf
Oliveira, E. F. 2003. Fatores que garantem o sucesso da safrinha de milho. Seminário Nacional de Milho Safrinha IAPAR (6º, 2003, Londrina, Brasil), IAPAR.
PBMC (Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas, Brasil). 2013. Contribuição do Grupo de Trabalho 2 ao Primeiro Relatório de Avaliação Nacional do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. Sumário Executivo do GT2. PBMC. Rio de Janeiro, Brasil, PBMC.
Sá Júnior, A. 2009. Aplicação da classificação de Köppen para o zoneamento climático do estado de Minas Gerais. Minas Gerais, Brasil, Universidade Federal de Lavras. 101 p.
Silva, JGDa; Sentelhas, PC. 2001. Diferença de temperatura mínima do ar mediano de abrigo e na relva e probabilidade de sua ocorrência em eventos de geada no Estado de Santa Catarina. Revista Brasileira de Agrometeorologia 9(1): 9-15.
Vianello, RL; Alves, ARA. 2000. Meteorologia Básica e Aplicações. Minas Gerais, Brasil, Viçosa-MG, UFV, 385 p.
Publicado
2018-07-31
Cómo Citar
FERREIRA NASCIMENTO, Wellington et al. Efeitos da temperatura sobre a soja e milho no Estado de Mato Grosso do Sul. Investigación Agraria, [S.l.], v. 20, n. 1, p. 30-37, jul. 2018. ISSN 2305-0683. Disponible en: <http://www.agr.una.py/revista/index.php/ria/article/view/405>. Fecha de acceso: 26 jun. 2019
Sección
ARTÍCULOS CIENTÍFICOS

Palabras clave

Semeadura, Milho, Soja, Colheita, Temperatura